sexta-feira, 19 de setembro de 2014

segunda-feira, 12 de maio de 2014

A maior flor do mundo



"As histórias para crianças devem ser escritas com palavras muito simples, porque as crianças, sendo pequenas, sabem poucas palavras e não gostam de usá-las complicadas. Quem me dera saber escrever essas histórias, mas nunca fui capaz de aprender, e tenho pena. Além de ser preciso escolher as palavras, faz falta um certo jeito de contar, uma maneira muito certa e muito explicada, uma paciência muito grande – e a mim falta-me pelo menos a paciência, do que peço desculpa.
Se eu tivesse aquelas qualidades todas, poderia contar, com pormenores, uma linda história que um dia inventei, mas que, assim como a vão ler, há apenas o resumo de uma história, que em duas palavras se diz…".

José Saramago

Filme de animação galego a partir do conto «A maior flor do mundo», de José Saramago, com voz do próprio.

Dez minutos que valem a pena pela história, pelas imagens, pela música extraordinária,... e pelo narrador.



quinta-feira, 8 de maio de 2014

Adolescentes moçambicanas



Realidade fantasiosa da TV Brasileira ganha força em Moçambique

Quem me conhece, principalmente as pessoas mais próximas, sabem que estou produzindo um documentário com inspiração etnográfica numa imersão na Comunidade Rastafári em Moçambique.

Esse "doc" e novo trabalho, tem sido feito em parceria com o meu amigo Felipe Nascimento, um estudante brasileiro de história que vive em Maputo há quase três anos, e estuda na Universidade Eduardo Mondlane (maior centro de ensino superior de Moçambique). E na produção desse novo documentário, algumas cenas inéditas foram acontecendo que eu não poderia deixar de mostrar aqui para você.

Nas últimas duas semanas, além das gravações e contato com os Rastas, fomos conhecendo também à comunidade vizinha ao Tabernáculo Rastafári, onde estão sendo filmadas as imagens do filme.

Desse contanto com as famílias, as crianças e os adolescentes captamos algumas imagens que rendaram algumas pérolas muito interessantes do tipo: influência da TV Brasileira em Moçambique, retratos sociais, identidade moçambicana e cultura africana de um modo geral.

Nesse presente vídeo, Flávia e sua amiga Asule de maneira simples, mostram a influência das novelas brasileiras por aqui, falam um pouco da identidade cultural da mulher moçambicana e ainda, mandam beijinhos para o Brasil.

Isso é um pouco da África que fala português, que eu gostaria de mostrar para você. Espero que goste!

(Publicado: 4/11/2012 )



sexta-feira, 25 de abril de 2014

Depois de Abril - Documentário - 25 de Abril de 1974



Um documentário cúmplice e intimista. 25 de Abril de 1974, o jovem militar Orlando Mesquita corria pelas ruas, juntando-se a tantos outros na grande celebração da liberdade. Escassas semanas após o acontecimento, é enviado para uma guerra que afinal não terminara num passe de magia. Como tantos jovens anónimos, foi enviado para limpar, discreta e silenciosamente, os despojos do conflito. Da experiência brotaram cicatrizes, histórias ocultas que através da lente se revelam nesse território onde as linhas de um rosto traçam um mapa, e nesse mapa se confrontam com a palavra dita e sentida.


(Publicado: 25/4/2013)


Vigília Filmes


quinta-feira, 24 de abril de 2014

Maria de Medeiros - Capitães de Abril



Uma cena do filme Capitães de Abril (2000), realizado por Maria de Medeiros.

Um retrato da Revolução dos Cravos, que mudou a história portuguesa na década de 70. Maria de Medeiros faz um retrato pessoal e nostálgico dos episódios mais marcantes do 25 de abril.

Na madrugada de 25 de Abril de 1974 o Rádio Clube Português emite a célebre e interdita canção de Zeca Afonso, "Grândola". Trata-se um código combinado com o clandestino Movimento das Forças Armadas que nessa madrugada levou um grupo de capitães a executar um golpe de estado e acabar com o regime do Estado Novo. O capitão Salgueiro Maia marcha com o seu regimento sobre Lisboa, decidido a tomar a capital sem derramamento de sangue. Entretanto, Manuel, um outro veterano da guerra de África, toma com um punhado de camaradas o Rádio Clube Português que se vai transformar no centro difusor do progresso da revolução. Antónia, a mulher de Manuel, desconhecendo as actividades do marido preocupa-se com o destino de um aluno, preso pela PIDE. Maia chega a Lisboa e com a ajuda de Gervásio, consegue levar os seus "Chaimites" até ao Quartel do Carmo, onde recebe a rendição de Marcelo Caetano. Nas ruas o delirante entusiasmo popular aclamava os capitães de Abril.

(Informação mais completa no link da RTP)



Capitães de Abril foi o filme de estreia, como realizadora, de Maria de Medeiros. Filmado em 2000, esta obra abordou a temática da Revolução de 25 de abril de 1974, conciliando a realidade histórica com personagens fictícias. O filme é uma glorificação da figura do capitão Salgueiro Maia, tendo o papel sido entregue ao ator italiano Stefano Accorsi, o que motivou alguma controvérsia no meio artístico. O história do filme centra-se nos acontecimentos verificados na noite do dia 24 e manhã do dia 25, com especial incidência para a saída dos revoltosos da Escola Prática de Cavalaria de Santarém e a ocupação do Rádio Clube Português. Maria de Medeiros também ocupa o seu lugar como atriz, personificando o papel de Antónia, uma jovem professora universitária perseguida pela PIDE. Outros atores com desempenhos fortes neste filme foram Joaquim de Almeida, Manuel João Vieira, Marcantónio del Carlo, Canto e Castro e Luís Miguel Cintra. O filme foi um assinalável sucesso de bilheteira a nível nacional e foi exibido em diversos festivais internacionais.

(Infopédia)


Críticas do filme em Cinema 2000.


Capitães de Abril completo.



 Os atores Stefano Accorsi (Salgueiro Maia) e Joaquim de Almeida



quarta-feira, 23 de abril de 2014

Retratos contemporâneos: Salgueiro Maia



Documentário da RTP sobre a figura do capitão Salgueiro Maia, a figura mais representativa do 25 de Abril.

Na Infopédia lemos sobre ele o seguinte:


Militar português, Fernando José Salgueiro Maia nasceu em 1944, em Castelo de Vide, e morreu em 1992, no Hospital Militar de Belém (Lisboa). Depois de frequentar a Academia Militar e a Escola Prática de Cavalaria, desempenhou funções de alferes-comando em Moçambique, durante a Guerra Colonial.Já com o posto de capitão, na madrugada de 25 de abril de 1974, dirigiu as tropas revolucionárias de Santarém até Lisboa, tornando-se uma das figuras-chave do golpe. Tomou os ministérios do Terreiro do Paço e o quartel da Guarda Nacional Republicana, no Carmo, onde estava refugiado o chefe do Governo, Marcello Caetano, que se lhe rendeu. Assim se deu a queda do Estado Novo.A revolta militar foi desencadeada pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), que derrubou o regime praticamente sem o emprego da força e sem provocar vítimas. Os dois únicos momentos de tensão foram protagonizados pelo próprio Salgueiro Maia: o primeiro foi o encontro com um destacamento de blindados, até então obediente ao Governo, resolvido quando estas tropas tomaram posição ao lado dos revoltosos; o outro ocorreu quando o capitão mandou abrir fogo sobre a parede exterior do quartel da GNR.Retomando modestamente o rumo da sua carreira militar, o capitão Salgueiro Maia recusou as honrarias que o regime democrático lhe quis atribuir. Todos os anos é recordada a sua coragem e a sua determinação aquando das comemorações do 25 de abril.


O capitão Salgueiro Maianoutras páginas:


Wikipédia


Vidas Lusófonas


Fotografia de Alfredo Cunha




terça-feira, 22 de abril de 2014

Revolução dos Cravos: 25 de Abril 1974 - Noticiários RTP



No 40º aniversário do 25 de Abril de 1974:

Noticiário da RTP do dia 25 de Abril de 1974, após o MFA ter ocupado as instalações da Radio Televisão Portuguesa.


MFA: Movimento das Forças Armadas (Infopédia)







sexta-feira, 11 de abril de 2014

Miguel Gomes - Tabu (2012)



Tabu (2012) é um filme português de longa-metragem de Miguel Gomes, que invoca, em homenagem cinéfila, a obra homónima Tabu de F. W. Murnau (1931).

Co-produção portuguesa, alemã, brasileira e francesa, tem estreia mundial na 62ª Berlinale (Festival Internacional de Cinema de Berlim), onde é contemplado com o prémio Alfred Bauer (Alfred-Bauer-Preis), destinado a obras inovadoras, e com o prémio FIPRESCI da crítica internacional para o melhor filme em competição.

(segue na Wikipédia)


O filme português numa crítica brasileira: Zero hora (1-8-2013)









terça-feira, 8 de abril de 2014

Pedro Ciarlini - Íris



Íris é cega de um jeito diferente, o único jeito de enxergar as outras pessoas é através das lentes de uma câmera.


Escrito e Dirigido por Pedro Ciarlini

Produção
Josenira Holanda Brasil
Maíra do Nascimento

Figurino e Maquiagem
Maíra do Nascimento

ÍRIS - Wedja Alvez
DAVID - Deivid Julian


(Publicado: 17/12/2012)



segunda-feira, 7 de abril de 2014

Globo Repórter - Moçambique, uma África que fala português



Publicado: 3/08/2013

Globo Repórter viaja pelas paisagens de Moçambique, uma África que fala português.

Moçambique: uma África que fala português. Nesta sexta-feira, dia 2, o Globo Repórter viaja pelas paisagens mais bonitas do mundo.

O mar de um azul intenso. E dunas de quarenta metros de altura. Nestas águas vive o animal que deu origem à lenda das sereias: dugongo, primo do nosso peixe-boi. Por que antigos navegantes acreditavam que ele era metade peixe e metade mulher?

Leões. Elefantes. Antílopes. E crocodilos de seis metros de comprimento. Mas o que dizer de um macaco que sabe latir?

Baobás: a gigante retorcida com mais de cem anos de idade. E acácia amarela: uma árvore que até no tronco é coberta de clorofila.

Saúde: um médico para cada 35 mil habitantes. E um curandeiro para cada 80 moçambicanos. Como eles conseguem tratar a maior parte das doenças com plantas medicinais?

O super-rato do desarmamento: você sabia que o animal desprezado em todo o planeta salva vidas descobrindo onde estão enterradas as minas da guerra?



sexta-feira, 4 de abril de 2014

Nôs terra (documentário)




Publicado: 13/08/2013

SINOPSE

Os pais vieram de uma antiga colónia portuguesa. Eles nasceram em Lisboa mas sentem-se mais cabo-verdianos. Saíram do bairro de infância para ir viver para o bairro social. Falam português mas também, desde muito cedo, aprenderam crioulo. Falam sobre a dualidade e a conflitualidade de pertencer a dois mundos que vivem de costas voltadas, mas que apesar de tudo, lhes pertencem como um só" "Nôs Terra" é um documentário centrado no processo de construção de um contra discurso protagonizado por jovens negros portugueses.


CRÉDITOS

Realização .:. Anna Tica . Nuno Pedro . Toni Polo
Fotografia . Câmara .:. Nuno Pedro . Toni Polo
Som .:. João Pedro . Sérgio Cardoso . Aaron Peacock Montagem .:. Alex Campos
Guião .:. Anna Tica . Nuno Pedro e Toni Polo
Animação/ Genérico: Nuno Henriques
Fotografia: Vera Correia
Design gráfico: Ana Rita Nascimento
Direcção de produção .:. Anna Tica aka Ana Fernandes
Música .:. Bino, Cox, Kromo di Ghetto, Sebeyks, Lord Strike e Boss
Entidade promotora: Solidariedade Imigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos Imigrantes



Em Português ou em Crioulo nos entendemos



Publicado: 28/02/2011

Projecto-piloto na área do bilinguismo

No Vale da Amoreira uma turma, composta por 22 crianças que frequentam o 3.º ano do 1.º ciclo, aprende língua portuguesa, mas também o crioulo, língua dos pais ou dos avós de muitos dos que frequentam a escola.

Este é um projecto-piloto na área do bilinguismo, coordenado pelo ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) e financiado pela Fundação Gulbenkian.




quinta-feira, 3 de abril de 2014

João Pereira - Tudo de novo




REALIZADOR
João Pereira

PRODUÇÃO
JP Filmes

ARGUMENTO
João Pereira

ELENCO
Sheilla Santos
Sara Taneco
Lidia Cristea


SINOPSE

Sofia é uma jovem angolana adotada. Atualmente, atravessa uma situação complicada na sua vida, pois a sua mãe adotiva é portadora de uma doença grave, obrigando-a a estar acamada. Apesar do pouco mantimento obtido, Sofia é a única fonte de rendimento da casa, devido ao seu trabalho num bar noturno. Mas basta uma simples noite para mudar completamente toda a história de Sofia, e haver uma nova oportunidade para fazer tudo de novo.



terça-feira, 1 de abril de 2014

quarta-feira, 26 de março de 2014

Alê Camargo - A Ilha



Curta metragem de animação de Alê Camargo, com patrocínio da Petrobras, realizado em 2010. O curta retrata a dificuldade que os pedestres enfrentam para atravessar ruas e avenidas nas grandes cidades brasileiras.

Melhor Vídeo, Festival Ibero-Americano de Cinema de Sergipe -- o Curta-SE
Melhor Curta-Metragem Digital, Festival de Cinema de Triunfo (FUNDARPE)
Melhor Curta-Metragem, 2nd Brazilian Film Festival
Melhor Animação em vídeo, Mostra Competitiva de Vídeos do Mercosul, no FAM 2009
Melhor Curta Metragem Digital, Cine-PE 2009
Prêmio Especial da Crítica/Imprensa, Cine-PE 2009


Nota. Em Portugal, os pedestres são os peões.





domingo, 23 de março de 2014

António Ferreira - Deus não quis



"Laurindinha" ainda hoje é cantada frequentemente. É uma canção alegre mas que numa análise mais profunda remete para a guerra, chegando até na opinião de alguns a fazer a apologia da mesma.

É esta pelo menos a perspectiva de António Ferreira, que baseando-se nos versos da canção, realizou em 2007 a curta-metragem "Deus Não Quis". Um filme de 15 minutos sobre os que partiram para o ultramar e as consequências que daí advieram quer para quem foi, quer para quem ficou.

"Deus Não Quis" passa-se no inicio da década de 70 e também na actualidade. No presente, Ramiro, a personagem central do filme, transpõe para um blog - http://deusnaoquis.blogspot.com - as memórias que guarda sobre a ida para a guerra e o regresso marcado pelo desencontro com o amor da sua vida - Laurinda.

(RTP)


Laurindinha

Ó Laurindinha
Vem à janela
Ver o teu amor
Ai ai ai, que ele vai p’rá guerra

Se ele vai p’rá guerra
Deixai-o ir
Ele é rapaz novo
Ai ai ai, ele torna a vir

Ele torna a vir
Se Deus quiser
Ainda vem a tempo
Ai ai ai, de arranjar mulher

De arranjar mulher
De casar contigo
Espera por ele
Ai ai ai, ele é teu amigo


(Noutras versões não aparece a última estrofe)